Filas para autógrafos podem ser algo que a cantora – cujo nome completo é Sigrid Solbakk Raabe – de 21 anos tenha que se acostumar se sua trajetória continuar como planejado. Uma curta turnê de primavera no Reino Unido esgotou rápido. Ela conta que seu show na semana passada na Leeds University foi “um show muito bom”. Em conversa com o Yorkshire Evening Post, Sigrid falou sobre fãs, Sound of 2018, novo álbum e mais,  confira abaixo:


Sigrid: “É muito legal que nossa música possa significar alguma coisa para alguém”

Desde que foi apontada pela pesquisa anual da BBC para se tornar a mais brilhante nova popstar em 2018, a cantora norueguesa Sigrid notou um novo fenômeno nos seus shows.

“Tem definitivamente muito mais gente esperando depois dos shows”, ela diz com uma risada gentil. “É bem louco. Na noite passada tinha tipo 40 pessoas esperando do lado de fora da casa”.

“Essa é a primeira vez que isso aconteceu conosco. Foi muito legal, mas tivemos que ir e eu senti muito. É ótimo que as pessoas estão gostando. Estou muito honrada.”

“A energia estava muito boa na plateia, eles estavam cantando juntos, tivemos um bom momento, então foi divertido.”

Um verão de festivais, incluindo o Isle of Wight e Leeds and Reading a espera.

Como a ganhadora da votação da BBC Sound of 2018, Sigrid está certamente seguindo alguns passos ilustres. A lista de vencedores anteriores incluem Adele, Sam Smith, Corinne Bailey Rae e Ellie Goulding.

“Ganhar a votação é algo importante para mim”, ela diz. “Eu nunca pensei que minha música ultrapassaria fronteiras. Eu nunca arrisquei sonhar sobre isso e ganhar o mesmo prêmio que alguns dos meus artistas favoritos ganharam antes de mim é bem grande”.

Foto por Tanya and Zhenya Posternak.

Novamente, ela reconhece: “É uma grande honra, mas não irá mudar nada. Bem, definitivamente vai mudar algumas coisas, mas não mudará o jeito que eu trabalho. Nós ainda vamos fazer as músicas que eu amo”.

O engraçado é que tentei escrever músicas politizadas tantas vezes e é difícil colocar isso em canções pop de três minutos porque você quer pegar as nuances.”  – Sigrid

A introdução de muitos ouvintes às músicas de Sigrid veio através de “Don’t Kill My Vibe”. Pode não ter sido um hit do top 40, mas alcançou milhões de streams nas plataformas online como Spotify e YouTube. Escrita em resposta a um produtor arrogante, a música foi adotada como um hino por jovens fãs – algo que a cantora acha imensamente gratificante.

“Isso é o que estamos todos esperando, não é?” ela diz. “Para mim é apenas incrível, e o fato de que as pessoas ouviram ‘Don’t Kill My Vibe’ significa que podemos ir em turnês como essa e esgotar a turnê. Estamos muito felizes sobre isso e significa bastante.”

“Estávamos olhando para um presente que ganhamos de um fã que estava tendo problemas – não entrarei em detalhes porque é pessoal – mas era um filho e uma mãe e eles nos deram esse presente que era um urso de pelúcia com uma uma mensagem que a música significa muito para eles. É muito legal que nossa música possa significar alguma coisa para alguém.”

“Eu tenho uma relação muito forte com música e música é a trilha sonora da minha vida, todos os meus artistas preferidos significam tanto para mim. Não os conheço, mas sua música fala comigo, então é lindo ver a música nos conectando.”

Sigrid, filha de pai engenheiro e mãe arquiteta, descreve crescer no porto da costa oeste que é Ålesund em termos idílicos. “É bem remoto”, ela diz. “É uma cidade pequena que é muito bonita. Eu tive uma criação muito agradável e sou muito próxima da minha família. Estou voltando para lá [depois de completar sua turnê no Reino Unido] para esquiar e caminhar um pouco. Minha infância foi muito normal.”

“Eu passava bastante tempo na escola. Sempre tive ambições e sonhos, mas eu queria me tornar médica ou professora ou advogada em algum momento.” Ela ri. “Eu acho que nada disso vai acontecer. Estou realmente esperando que possa fazer música agora.”

Não houve nenhuma pressão em casa para ela se tornar uma cantora. “Ninguém me empurrou para a indústria da música. Foi minha escolha.”

O encorajamento veio de seu irmão Tellef e sua irmã Johanne. “Diria que do jeito certo. Só veio do amor pela música”, diz Sigrid.

Sigrid com seus irmãos, Johanne e Tellef.

“Nossa família inteira ama música. Meu pai toca guitarra como hobby e minha mãe é muito interessada em música. Ela tem um ouvido muito musical. Nós sempre tivemos música ao redor de nossa família. Eu acho que é por isso que eu amo música. Minha avó me ensinou o piano e eu também tive ótimos professores – um professor de piano e um professor de vocais.”

“Foi meu irmão que meio que me empurrou gentilmente a escrever minha primeira música. Ela estava fazendo um show em nossa cidade e disse que eu não poderia fazer um cover; ele queria que eu fizesse uma música original com ele no palco então eu tive duas semanas para escrever uma música e eu meio que surtei, mas também terminei-a.”

A família de Sigrid compartilha um amor por Neil Young. “Minha coisa favorita é a combinação de harmonias e as letras”, a cantora diz. “Soa como se eles foram ao estúdio e tiveram um bom momento e eu amo isso. É o mesmo sentimento que eu tenho quando eu ouço Fleetwood Mac – mesmo que eu saiba que Fleetwood Mac é cheio de drama. Eu acho que é corajoso e é isso que procuro na minha música.”

“É isso que eu gosto sobre Neil Young. Você pode ouvir em sua voz. A voz dele é tão cheia de emoção. Ele não é necessariamente o melhor cantor da Terra, ele é um bom cantor, mas é o jeito que ele canta. É tão emotivo e lindo.”

Sigrid lançou sua primeira música na Noruega quatro anos atrás. Ela sente que sua composição se desenvolveu consideravelmente recentemente. “Eu lembro que quando comecei a escrever eu sempre escrevia por semanas. Minha primeira música eu escrevi para o meu irmão e então minha segunda música, “Two Fish”, eu escrevi para uma tarefa. Eu queria conseguir a nota mais alta em inglês e nos falaram para escrever um poema – isso foi no segundo ano do Ensino Médio – e eu pensei ‘E se eu escrever uma música?’ Eu fiz isso na verdade para conseguir uma nota mais alta e não consegui; isso foi irritante. Eu consegui a música ao invés disso.”

“Eu pensei que se eu botasse um monte de simbolismos nela, como uma imagem lírica, então eu escrevi bastante ao redor disso. Eu achei que ajudaria com minha nota de inglês. Eu não faço mais isso – foi apenas para a escola. Quando eu escrevo agora eu escrevo coisas que são inspiradas por coisas privadas, por experiências, mas não é necessariamente direto, é como uma contação de estórias.”

Como uma artista ela acha que não deveria ter medo de expressar opiniões sobre o amplo mundo. “Eu acho que você tem uma oportunidade importante de falar sobre coisas que você acha que importam e eu tento escrever sobre essas coisas. O engraçado é que eu tentei escrever músicas politizadas tantas vezes e é difícil colocar isso em canções pop de três minutos porque você quer pegar as nuances.”

“Não é nunca preto e branco, é sempre cheio de nuances, e são problemas muito complexos. Mas eu escrevi algumas. Tem uma música no álbum chamada “Savage In Our Blood” que é meio política. É provavelmente uma das minhas preferidas. Eu escrevi com Odd Martin Skålnes em Bergen.”

“Eu acho que você tem uma voz e quanto mais gente vem aos seus shows, se eu posso falar sobre coisas que importam para mim talvez eu possa inspirar mais alguém. Mas novamente, eu acho que é muito importante ouvir. Eu acho que devíamos todos ouvir e discutir de um jeito educado. Eu acho que você perde o respeito quando grita para os outros na vida.”

“É algo grande na Noruega agora, nossa Ministra da Justiça deixou sua posição e isso volta para essa gritaria. Estamos falando muito sobre isso.”

Sobre o seu álbum de estreia, Sigrid diz que ainda está no processo de completá-lo. “Estou trabalhando com muitos produtores e escritores talentosos, todo o meu pequeno time, estamos trabalhando muito juntos. É ótimo.”

No entanto ela é modesta quanto à planos mais adiante para o ano pela frente. “Estaremos em turnê pelo verão, será muito excitante. Tenho que ser um pouco misteriosa sobre isso, mas prometo que não desaparecerei.”

Sigrid toca no Leeds Festival em 26 de agosto. Seu novo EP, Raw, sairá em 11 de Maio.

Leia a material original, em inglês, clicando aqui

Tradução: Jéssica Cardoso – Equipe PSBR

 

Categorias: entrevistas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *